Você está aqui
Home > Livros > Resenha de Livro: “Viciado Carioca” – Claudio Formiga

Resenha de Livro: “Viciado Carioca” – Claudio Formiga

Todos os textos produzidos pelo Up! Brasil não podem ser reproduzidos – total ou parcialmente – sem autorização. Cópias não autorizadas e plágios são crimes previstos no Código Penal.

Autora: Claudio Formiga
Editora: Parêntese
Páginas: 262

nota2,5

Resgatei este livro da minha estante e resolvi resenhá-lo porque lembrei do quanto eu ri com as aventuras deste viciado carioca na época em que recebi este livro da editora Parêntese (cerca de três anos atrás). Em Viciado Carioca – Amor e Rock and Roll, acompanhamos o cotidiano de Vic (uma redução de “Viciado”), um jovem que passa por uma série de confusões em uma viagem a Minas Gerais durante o carnaval. Por influência de outras pessoas e um tanto de curiosidade, ele começa a fumar maconha, mas este livro se diferencia da literatura corriqueira sobre drogas justamente por colocar o consumo como algo corriqueiro, casual.

Após algum tempo alimentando seu vício, Vic torna-se um cliente conhecido de uma boca de fumo. De “playboy do asfalto”, esse roqueiro de 18 anos logo ganha reputação de consumidor regular e respeitador. Em uma invasão da polícia ao morro, ele acaba ajudando Kid, um rapaz com quem firma amizade. O último a entrar no grupo é Lucas (o Gordo), o dono de uma locadora de vídeo. Os três jovens passam a frequentar um clube chamado Casarão, cenário de uma série de brigas, desavenças e – por que não? – paixões. É lá que Vic conhece Nicole, uma ruiva linda e sexy que mexe com sua cabeça adolescente. O problema é que ela é a namorado dono do clube, Luther, um quarentão rico, pirado da cabeça e extremamente perverso que controla seu clube de heavy metal com punhos de ferro.

É por conta da maconha que Vic se mete na maioria das confusões apresentadas no livro: “duras” de policiais, paranoias, bate-boca e brigas. Além de viciado, nosso protagonista é um cara extremamente mal-humorado e sarcástico, o que abre espaço para frases rabugentas e hilárias. A história se passa nos anos 90 e é narrado em primeira pessoa, o que torna tudo mais interessante e curioso, já que acompanhamos tudo pela ótica rabugenta e sem noção de um adolescente pirado. Valores morais à parte, achei este livro bastante divertido, ainda que várias partes sejam um tanto confusas ou mal desenvolvidas (talvez algo proposital, que segue a “onda” do narrador).

Claudio Formiga é também autor do livro Comédia da Vida Fumada. Uma suposta “apologia ao uso de drogas” seria, então, mais do que previsível. Li muitas críticas ao livro baseadas (risos, risos) neste argumento, mas tentarei deixá-lo de lado porque acredito que ele reflete mais um juízo de valor dos leitores acerca do tema do que o valor narrativo da obra em si. Leia por conta própria e divirta-se com as trapalhadas apaixonadas e taradas do Viciado.

Jaqueline Sant'ana
Tem 29 anos, é carioca, botafoguense, revisora e Mestre em Sociologia. Ama cinema, literatura e música e curte passar os finais de semana fazendo binge-watching de séries, mas não dispensa um karaokê com litrão de cerveja.

Deixe uma resposta

Top