Você está aqui
Home > Livros > Resenha de Livro: “O Irresistível Café de Cupcakes”, de Mary Simses

Resenha de Livro: “O Irresistível Café de Cupcakes”, de Mary Simses

Todos os textos produzidos pelo Up! Brasil não podem ser reproduzidos – total ou parcialmente – sem autorização. Cópias não autorizadas e plágios são crimes previstos no Código Penal.

Autora: Mary Simses
Editora: Paralela
Páginas: 288

nota4

Se eu tivesse que descrever “O Irresistível Café de Cupcakes” em uma só palavra ela seria “adorável”. O livro de Mary Simses, autora que eu até então desconhecia, traz a história de Ellen Brandford, uma bem-sucedida advogada de Nova York que viaja até a pequena cidade de Beacon para realizar o último desejo de vida de sua avó: entregar uma carta de despedida a um antigo namorado de sua juventude, Chet Cummings.

Ellen ama a vida na cidade grande e as facilidades que o mundo moderno lhe oferece. A três meses do seu casamento com um futuro político de família riquíssima, ela tira um dia de folga do seu trabalho para cumprir a vontade de sua falecida avó, sua pessoa favorita da família. Em um primeiro passeio de reconhecimento pela cidade, a vida em Beacon parece bastante pitoresca para Ellen: ruas tranquilas, muito verde, jovens e crianças brincando na beira da praia, pessoas que querem saber tudo da vida e que começam o dia comendo quitutes fritos a base de açúcar e carboidratos. O que vem pela frente, porém, muda sua opinião sobre a cidade: após quase morrer afogada e ser resgatada por um carpinteiro local, o resmungão Roy, Ellen se desespera ao perceber que não vai ser fácil encontrar Chet e decide ficar mais alguns dias na cidade até resolver esta situação – contando, é claro, com a ajuda de Roy e de outros moradores da cidade.

Com o passar dos dias, ela vai descobrindo mais e mais segredos da vida de sua avó, que saiu de Beacon ainda bem jovem, mas que deixou um verdadeiro legado para sua neta. No começo do livro Ellen pode ser descrita como uma perua nova-iorquina, um tanto afetada e preocupada com primeiras impressões, mas um dos pontos fortes do livro é ver como a percepção da protagonista acerca do mundo e de si mesmo vai mudando conforme surgem novas revelações sobre as pessoas ao seu redor.

O que mais me agradou neste romance é que ele não é uma obra pretensiosa. De linguagem simples, esta obra passa longe do sofrimento e da tragédia, exaltando um estilo de vida menos afetado e mais simples e deixando para o leitor algumas sábias e delicadas reflexões sobre escolhas e perdas na vida:

“Suponho que a lição de tudo isso seja não chegar aos oitenta anos fazendo um retrospecto da vida e se perguntando se fez a escolha certa ou como a vida teria sido diferente se você tivesse feito uma opção e não a outra” (pg. 272).

Não se trata de uma romance hilariante como as obras de Sophie Kinsella, mas de um livro bem-humorado, com pileques, dilemas, um mocinho um tanto rabugento, uma protagonista determinada a desvendar segredos do passado e uma vizinhança repleta de pessoas simpáticas e intrometidas como só as cidades pequenas têm. Destaco também as músicas e os deliciosos pratos mencionados pela autora ao longo do livro – confesso que em dois ou três momentos me peguei salivando com a descrição das receitas degustadas pelos Ellen.

A capa do livro traz a seguinte indicação do escritor James Patterson: “Se você gosta dos romances de Nicholas Sparks, vai devorar O Irresistível Café de Cupcakes”. Bom, não é bem assim. A história se passa em uma cidade pequena? Sim. Há um grande romance no livro? Sim, mas essas são as únicas semelhanças entre o livro de Simses e as obras do lacrimoso autor de babas românticas como “Diário de uma paixão” e “A última música”. Ainda que o desenvolvimento do livro não traga nenhuma grande novidade, “O Irresistível Café de Cupcakes” se destaca como um passatempo cativante, que nos deixa com vontade de acompanhar a história até o fim torcendo por um (garantido) final feliz. Jogue o lencinho fora e venha se divertir com esse romance fofinho e divertido, com cheio de pôr do sol e cupcakes recém-saídos do forno!

Jaqueline Sant'ana

Tem 29 anos, é carioca, botafoguense, revisora e Mestre em Sociologia. Ama cinema, literatura e música e curte passar os finais de semana fazendo binge-watching de séries, mas não dispensa um karaokê com litrão de cerveja.

Deixe uma resposta

Top