You are here
Home > Livros > Resenhas > Editoras > Arqueiro > Resenha de Livro: “O Destino do Tigre” – Colleen Houck

Resenha de Livro: “O Destino do Tigre” – Colleen Houck

Todos os textos produzidos pelo Up! Brasil não podem ser reproduzidos – total ou parcialmente – sem autorização. Cópias não autorizadas e plágios são crimes previstos no Código Penal.

Autora: Colleen Houck
Editora: Arqueiro
Páginas: 400


nota4

Em “O Destino do Tigre”, Kelsey, Ren e Kishan precisam encontrar o último presente da deusa Durga, a Corda de Fogo. Com a ajuda do Sr. Kadam, eles partem em mais uma aventura repleta de ação, misticismo e muita adrenalina.

A história tem início no ponto exato onde “A Viagem do Tigre” terminou, com nossa protagonista nas garras do vilão Lokesh. A qualidade descritiva da narrativa aparece bastante intensificada neste volume da série, o que torna a leitura um tanto desgastante em certos momentos. São tantos os mitos e criaturas mágicas em ação que eu mesma me peguei pulando alguns parágrafos do livro, principalmente durante as cenas de combate. Isso, porém, não tira o mérito da história, que brilha com a diversidade de lendas e costumes das culturas hindu e asiática. A forma como mitos, deuses e seres fantásticos se entrelaçam na história da série é simplesmente genial, e muitas pontas soltas dos livros anteriores são explicadas nesse livro. Phet, o ancião da floresta, exerce um papel importantíssimo nesse sentido, orientando os jovens protagonistas em sua luta contra Lokesh e a maldição que aprisionava os príncipes indianos em corpos de tigres. Anamika e Sunil, novos personagens que surge na segunda metade do livro, servem como ponto de partida para um mergulho na história antiga da Ásia, com a presença de diferentes povos e costumes guerreiros bem interessantes.

Kelsey continua sendo uma personagem difícil neste livro. Desde o início, a autora Colleen Houck assumiu sua inspiração em “Crepúsculo” para a criação da sua série, e essa situação se torna bastante nítida quando colocamos Bella Swan e Kelsey Heyes lado a lado: ambas são personagens chatas, teimosas e inseguras, que mudam de ideia o tempo todo com relação aos seus sentimentos e levam um triângulo amoroso até os limites da enrolação. Desde o começo, comentei como a parte romântica da história de “A Maldição do Tigre” era seu grande ponto fraco. Neste livro, que segue um desfecho dramático emocionante, isso ficou muito claro: cada vez que Kelsey ponderava sobre os aspectos positivos de cada um dos irmãos, eu me via mais e mais frustrada com a história. Eram tantos “ah, eu amo Kishan, mas não consigo esquecer o que sinto por Ren, mimimi, mimimi, mimimi” que eu fiquei realmente irritada com a história e acabei diminuindo a nota final do livro. Anamika e Sunil, novos personagens que surge na segunda metade do livro, servem como ponto de partida para um mergulho na história antiga da Ásia, com a presença de diferentes povos e costumes guerreiros bem interessantes.

Quanto ao trabalho realizado pela editora Arqueiro, só tenho elogios: a revisão do texto é excelente, assim como sua diagramação. A capa, lindíssima, segue com os detalhes em alto relevo dos livros anteriores. Olhando para todos eles lado a lado, fico completamente encantada com a qualidade dos volumes.

O final do livro é emocionante ao extremo. Ao longo do livro, vários momentos me deixaram com o coração na mão. Quando os jovens recapitulam os sacrifícios feitos pelo fim da maldição e precisam escolher a quinta e última renúncia voluntária, meu mundo de fangirl caiu! Ainda que eu tenha ficado um pouco decepcionada com a escolha final de Kelsey, gostei muito da forma como a autora conduziu o desfecho de sua série. Boatos dão conta de que Colleen vem escrevendo um quinto livro, mas eu sinceramente acho isso desnecessário em termos de trama. “O Destino do Tigre” nos oferece respostas para todas as perguntas que ficaram no ar e é leitura recomendada para todos os fãs de fantasia, aventura e romance.

Jaqueline Sant'ana
Tem 30 anos, é carioca, botafoguense, revisora e Mestra em Sociologia. Ama cinema, literatura e música e curte passar os finais de semana fazendo binge-watching de séries, mas não dispensa uma madrugada regada a karaokê e litrões bem gelados.

Deixe uma resposta

Top