Você está aqui
Home > Livros > Resenha de Livro: “Louca para Casar” – Madeleine Wickham

Resenha de Livro: “Louca para Casar” – Madeleine Wickham

Todos os textos produzidos pelo Up! Brasil não podem ser reproduzidos – total ou parcialmente – sem autorização. Cópias não autorizadas e plágios são crimes previstos no Código Penal.

Autora: Madeleine Wickham
Editora: Record
Páginas: 348


nota4

“Louca para Casar”, livro publicado pela editora Record, é protagonizado por Milly Havill, uma personagem fútil e complicada que vive mentindo para agradar seu noivo, o idealista Simon, filho do milionário empresário Harry Pinnacle. Vivendo um padrão duplo para conquistar o amor e a estabilidade que sempre sonhou, ela acaba varrendo para debaixo do tapete um grande segredo do seu passado: seu casamento com Allan, um professor americano, dez anos atrás.

A trama se inicia com um flashback de dez anos na vida de Milly em Londres, quando então estudava para se tornar uma secretária. É nessa época que ela conhece Allan e Rupert, dois lindos jovens que logo fazem amizade com ela. Anos depois, ela questiona se algum dia eles realmente foram amigos ou apenas queriam se aproveitar da ingenuidade dela.

Olivia, a mãe da noiva, nos causa pena com sua patética agitação. Dedicando suas energias a um casamento que nem é seu, ela representa muito bem o embate entre frustração e expectativa que muitas mulheres de meia idade sentem com o rumo de suas vidas. James, seu marido, está cansado da rotina de aparências que mantém com Olivia, mas ela parece não enxergar o mundo além de seu caderninho de tarefas para o grande dia da filha “maluquinha”.

A chegada de Alexander, o fotógrafo que vai registrar o matrimônio – e que, por um acaso, tem um registro do primeiro casamento da nossa protagonista – coloca o mundo de Milly de pernas para o ar. Temendo que ele revele seu passado para Simon, ela pede ajuda para sua madrinha, a excêntrica Esme, e sua irmã, a centrada Isobel, que também vem guardando um segredo que irá abalar as estruturas de sua família.

Ainda que “Louca para Casar” tenha seus momentos divertidos, é sempre curioso comparar o humor vertiginoso do pseudônimo Sophie Kinsella com a escrita mais contida da autora Madeleine Wickham, uma ação que revela pleno domínio sobre a sua escrita. Não diria que esta é uma obra dramática, ainda que a trama de Rupert atravesse pontos bastante delicados e emotivos. Narrado na terceira pessoa, a trama é sólida e bem desenvolvida, seguindo um ritmo ligeiro e agradável. O trabalho da editora Record com este livro não deixa a desejar: o texto está impecavelmente trabalhado em folhas amareladas, que tornam a leitura bastante agradável aos olhos. A capa também merece elogios – achei lindíssimo o trabalho feito com a imagem e as estampas do verso.

Achei “Louca para Casar” um livro muito bom. Seu início é um tanto desanimador, mas logo fui cativada pela história, que ganha camadas e mais camadas conforme Milly decide investigar o rumo que algumas pessoas do seu passado tomaram. Certas passagens do livro são bastante ousadas, com reflexões ácidas sobre família, cidadania e religião. Nesse sentido, alguns leitores podem se sentir incomodados pelas críticas contidas na fala de alguns personagens – críticas muito bem fundamentadas e atuais, diga-se de passagem. Esse, para mim, foi o ponto alto do livro, separando-o da literatura de entretenimento para algo mais sério, contundente.

Jaqueline Sant'ana
Tem 29 anos, é carioca, botafoguense, revisora e Mestre em Sociologia. Ama cinema, literatura e música e curte passar os finais de semana fazendo binge-watching de séries, mas não dispensa um karaokê com litrão de cerveja.

Deixe uma resposta

Top