You are here
Home > Livros > Resenhas > Editoras > Arqueiro > Resenha de Livro: “Desejo à Meia-Noite” – Lisa Kleypas

Resenha de Livro: “Desejo à Meia-Noite” – Lisa Kleypas

Todos os textos produzidos pelo Up! Brasil não podem ser reproduzidos – total ou parcialmente – sem autorização. Cópias não autorizadas e plágios são crimes previstos no Código Penal.

Autora: Lisa Kleypas
Editora: Arqueiro
Páginas: 272

nota5

Primeiro volume da série Os Hathaways, Desejo à Meia-Noite é um romance histórico fascinante e envolvente publicado pela editora Arqueiro. A trama se inicia em 1848, quando somos apresentados aos cinco irmãos que formam a família Hathaway: Leo, Amelia, Winnifred, Poppy e Beatrix. Desde a morte dos pais, Amelia tomou as rédeas do clã, desistindo de se casar e colocando o cuidado com os outros acima de suas próprias necessidades. Forte e carinhosa, ela zela (até demais) pelo bem estar de todos, ainda que a situação financeira da família esteja indo de mal a pior.

Leo, o irmão mais velho da família, vem sofrendo com a dor de uma grande perda em seu passado e por isso vem agindo de maneira desenfreada e inconsequente. A conquista de um título de nobreza, que lhe foi passado pelo extravagante Lorde Ramsay, só fez piorar a situação do jovem, que começou a gastar sua renda anual com jogos, brigas e prostitutas. Após um sumiço de três dias, Amelia decide procurá-lo ao lado de Merripen, um cigano que foi praticamente adotado pela família Hathaway após ter sido abandonado às raias da morte quando era um jovenzinho.

Em um beco mal frequentado de Londres, os dois amigos encontram Cam Rohan, gerente do clube de jogos Jenner’s. Meio cigano, meio irlandês, ele não se identifica com o modo de vida gadje (um termo que significa “não cigano” em romani), mas vive há anos entre eles. Criado por sua avó, Cam levado a Londres por um parente aos 11 anos de idade e desde então fez fortuna, ainda que seja completamente desapegado ao dinheiro. A atração entre ele e a jovem mulher de 26 anos é imediata, e Cam logo sente que aquela bela morena fará parte de seu futuro, ainda que ela diga não acreditar em coisas como “destino” ou “sorte”. A história dos dois é repleta de encontros inesperados e nos deixa suspirando desde o primeiro momento. Dilemas, antigos amores e muitas dificuldades surgem no caminho do casal, e tudo isso torna a nossa torcida por um final feliz ainda mais ardente.

A escrita de Lisa Kleypas é descritiva na medida certa – as cenas mais sensuais do livro são extremamente elegantes, envolventes sem cair na apelação. A apresentação de traços da cultura cigana feita pela autora torna a trama de Desejo à Meia-Noite também é muito interessante de se acompanhar. Como se todo o misticismo romani não bastasse, há ainda um toque sobrenatural eletrizante na história! Gostei muito do fato de todos os personagens terem a espaço na narrativa, de modo que a trama não fica totalmente centrada no romance avassalador de Amelia e Cam: a dinâmica de Poppy e Beatrix, as irmãs Hathaway mais novas, diverte o leitor, assim como a “praga da boa sorte” de Cam, que tenta se livrar do seu dinheiro em investimentos falidos, mas sempre obtém lucro.

Além de boas doses de charme, astúcia e beleza, os dois protagonistas também têm as suas falhas, e isso é ótimo, uma vez que mantém a trama dinâmica e repleta de momentos de tensão e crise, deixando o leitor oscilando entre o amor e o ódio pelos personagens. Possessivo e muito ciumento, Cam demonstra o lado negativo da postura masculina dos romanis de vez em quando, como quando proíbe que Amelia fique sozinha com um homem que não seja da família a menos que ele lhe dê permissão (eu mataria um homem desses, just saying). Amelia parece gostar de carregar o mundo em suas costas: ainda que sobrecarregada, ela não abre mão do orgulho e nega qualquer tipo de alívio ou ajuda, levando uma vida de resignação. Leo é outro personagem marcante: mostrando-se como um homem afogado em autopiedade, indiferente e sarcástico, ele não liga para as responsabilidades ou mesmo para sua família.

Um dos destaques do livro é Merripen: misterioso e sombrio, este cigano se tornou um dos meus personagens prediletos neste livro. Vocês não entendem o quanto shippei Merripen e Win durante toda a leitura, e também não imaginam a minha euforia quando descobri que os dois são os protagonistas do segundo volume da série, Sedução ao Amanhecer. Eu nunca havia lido um romance histórico com ciganos como mocinhos, mas logo me vi fascinada pela cultura romani e pelos mistérios que esse povo carrega. Que venha o próximo livro!

Para ler as resenhas dos outros volumes desta série, basta clicar na tag Os Hathaways 😉

Jaqueline Sant'ana
Tem 30 anos, é carioca, botafoguense, revisora e Mestra em Sociologia. Ama cinema, literatura e música e curte passar os finais de semana fazendo binge-watching de séries, mas não dispensa uma madrugada regada a karaokê e litrões bem gelados.

Deixe uma resposta

Top