Você está aqui
Home > Livros > Resenhas > Editoras > Arqueiro > Resenha de Livro: “Confissões de uma garota excluída, mal-amada e (um pouco) dramática” – Thalita Rebouças

Resenha de Livro: “Confissões de uma garota excluída, mal-amada e (um pouco) dramática” – Thalita Rebouças

Todos os textos produzidos pelo Up! Brasil não podem ser reproduzidos – total ou parcialmente – sem autorização. Cópias não autorizadas e plágios são crimes previstos no Código Penal.

Autora: Thalita Rebouças
Editora: Arqueiro
Páginas: 269

nota5

Acho que a primeira coisa que eu preciso falar nessa resenha é: esse título é maravilhoso. Eu quis ler a história de Tetê antes mesmo de saber qual seria sua premissa por causa desse título. Por que? Porque ele me chamou atenção de uma maneira que há muito tempo não acontecia com títulos de livros – e ao mesmo tempo, é um título engraçadinho e que se encaixaria com uma boa parte das adolescentes espalhadas pelo mundo. Agora vamos ao que interessa.
Confissões de uma garota excluída, mal-amada e (um pouco) dramática segue a vida de Teanira – ou Tetê, como ela prefere –, uma adolescente gordinha que está lidando com mais mudanças do que gostaria: ela e os pais se mudaram da Barra da Tijuca para Copacabana para morar com seus avós, e tudo agora está bastante confuso. Por ter sofrido bullying na escola antiga, Tetê agora morre de medo de que na nova escola sua vida continue com os mesmos problemas, e é apenas cozinhando (e comendo!) que ela encontra alguma alegria. É através de seus olhos e palavras que conhecemos os outros personagens da história (Zeca, Davi, Erick, Samantha, Valentina, Dudu…) e nos envolvemos com seus medos e inseguranças – sua pouca autoestima misturada ao humor com que vê várias situações em sua cabeça são o retrato do que muitas garotas passam.
Conheço a escrita da Thalita Rebouças desde que eu era uma adolescente e por isso me acostumei com sua forma característica de contar histórias. E nessa história, isso não é diferente (ainda bem). Sua escrita é suave e divertida, sua linguagem é aquela usada pelos adolescentes – sempre que estamos lendo qualquer uma de suas histórias conseguimos ouvir a voz dos adolescentes que conhecemos – e sua ambientação é muito bem trabalhada – junto com a trama, tudo isso fica muito redondinho.
Tetê conta com a ajuda de Zeca (um dos personagens mais divertidos que eu já li) para desabrochar – são coisas simples, como tirar a sobrancelha, se depilar e passar desodorante, mas que fazem muita diferença –, e de Davi, Samantha e Erick para se enturmar. Erick é o garoto popular da escola, namorado da Valentina (que não é tão legal assim), e é também o interesse amoroso de Tetê por boa parte da trama. Nessa nova escola, Tetê descobre que não precisa se esconder e que pode sim ter amigos e ser feliz. É uma trama encantadora, com suas doses de humor permeando temas sérios e que devem ser discutidos.
É muito importante que os adolescentes tenham acesso a esse tipo de história, porque como pessoas em formação, essa é a época mais difícil. Amigos são muito importantes, amores começam a ser descobertos… tudo o que acontece (tanto na escola quanto fora dela) tem um impacto muito maior. Personagens que sofrem com bullying (por n questões – como ser homossexual, ou gordinha, ou inteligente… ou qualquer outra coisa), que têm pouca autoestima, que são populares, que praticam bullying, que ainda não se encontraram… todos eles conseguem ser relacionados com pessoas e situações reais.
Tetê me fez lembrar de como é importante que os jovens descubram que não tem problema ser diferente das outras pessoas – que essa diferença é que deixa cada pessoa especial – e o quanto a caminhada para chegar a essa descoberta pode ser cheia de surpresas.
Em Confissões (…), Thalita tratou de forma espetacular as incertezas e descobertas adolescentes através de personagens carismáticos e reais. Seu humor deixou leve os temas pesados e suas palavras coloriram a história. É uma leitura que te prende do início ao fim e mais do que indicada para todas as idades.

Vitória Doretto
Vitória - mais conhecida como Vicky. Sou viciada em instagram e estou ali, me dividindo entre o amor por personagens de livros e as aventuras que encontro nos [agora raros] games da vida. Sou graduanda em Letras e Revisora de Português licenciada pelo MEC, nerd de carteirinha (mesmo tentando ser transuda na maior parte do tempo), apaixonada por doramas e por mais bandas e cantores do que gostaria.

Deixe uma resposta

Top