You are here
Home > Livros > Resenha de Livro: “Guerra dos Tronos”, George R. R. Martin

Resenha de Livro: “Guerra dos Tronos”, George R. R. Martin

Todos os textos produzidos pela Up! Brasil não podem ser reproduzidos – total ou parcialmente – sem autorização. Cópias não autorizadas e plágios são crimes previstos no Código Penal.

Autor: George R. R. Martin
Editora: Leya
Páginas: 592


“Guerra dos Tronos – As Crônicas de Gelo e Fogo” é o primeiro volume da série escrita por George R. R. Martin e composta por sete volumes. Mais do que um sucesso absoluto de crítica e vendas, a história chamou tanta atenção que ganhou um seriado produzido pela HBO. De fato, nenhuma das críticas ou dos comentários que vi em ralação a obra foi exagerada. Pelo menos é assim que penso.

Apesar de ser literatura fantástica, o livro encaixa-se facilmente durante a Inglaterra medieval, e eu diria que principalmente no conflito da Guerra das Rosas. Há duas dinastias na luta pelo trono, uma protegendo e outra tentando usurpar. Na defesa, encontram-se os Stark, representados por um lobo e sendo o equivalente dos York. Do outro lado, os Lannisters, representados por um leão, equivalente dos Lancaster. Não vou desfiar um rosário aqui acerca dos motivos que me fizeram perceber isso – mesmo porque não é a ideia da resenha –, e acredito que qualquer um que conheça a história poderá perceber o mesmo com facilidade. Mas fiz questão de pontuar porque sou apaixonada pelo conflito em questão e grande entusiasta da História da Inglaterra.

O volume tem vários pontos de vista diferentes e alternados (oito ao todo), dando uma dinâmica muito boa de leitura. Nenhuma troca de ponto de vista é aleatória, e mesmo sem ter a exata noção da ligação entre algumas histórias no início, todas elas se interligam de forma fundamental. O foco principal desse primeiro volume está na família de Eddard Stark. Eddard é o herói trágico, que mesmo percebendo o destino infeliz, cumpre sua obrigação com o Rei. Tendo que abandonar suas terras para proteger o Rei e a corte, Eddard já conhece a sua sorte. Sua esposa (Catelyn) e quatro de seus filhos (Jon, Bran, Arya e Sansa) também ajudam a contar a história.

Os outros dois narradores são Viserys (representante dos Lannisters e o mais interessante deles) eDaenerys (herdeira dos Targaryen que narra uma história independente, porém fundamental à trama). Viserys supostamente um vilão, acaba por roubar a simpátia do leitor ao ser um vilão quase às avessas. E Daenerys é minha personagem favorita do livro. Humilhada e usada pelo irmão como moeda de troca para alcançar seus objetivos, ela torna-se rainha respeitada de um povo totalmente diferente do seu. E ao final, a melhor surpresa vem dela.

Muitas comparações têm sido feitas com o já clássico “O Senhor dos Anéis”, de J. R. R. Tolkien e é até compreensivo. Ambos são fantásticos, cheios de lugares imaginários, guerras monumentais e nomes nada convencionais. Mas acho que as comparações param por aí. O que Tolkien criou será sempre monumental. Sauron será sempre o mais temido e o único com força +24 (essa é para os jogadores de card game e RPG, rs). Hobbits, elfos, anões, trolls, orcs, uruk-hai e balrog não estão em questão aqui. A magia e as forças quase sobrenaturais só tem espaço com Daenerys, e ainda assim, é bem diferente. Deixemos cada um na sua e admiremos os dois.

Minha única ressalva vai para a adaptação do texto. Na verdade, sempre que posso dou ao menos uma olhada no original para ver como ficou a tradução. Nesse caso, o texto foi traduzido para o português de Portugal, e isso embutiu a ele uma formalidade inexistente no original. Falta nenhuma do tradutor. O erro foi na hora de adaptar para o nosso português. A editora limitou-se a corrigir algumas diferenças de grafia. Uma pena, pois o excesso de formalismo, que deu uma quebra no ritmo, inexiste no original que flui mais facilmente. Ainda assim, nada que faça não iniciar ou desistir da leitura.

E já que comentei sobre a adaptação, preciso dizer que a revisão está impecável. Considerando que tem sido raro encontrar um livro sem erros de revisão, mais do que justo apontar esse mérito. Outro ponto para a editora é a capa, muito mais bonita que a original.

Evitando me alongar ainda mais, recomendo que leiam. Não deixem se desanimar pelo grande número de páginas e nem pelas letras minúsculas que assustam logo de início. Depois que passar do prólogo vai ser fácil vencer essas dificuldades. Eu já me tornei fã da saga e estou juntando as moedinhas para comprar o segundo volume, lançado em março pela Leya sob o título de “Guerra dos Tronos – A Fúria dos Reis”.

Por: Renata Alves
Postado originalmente em: 09/04/2011

2 thoughts on “Resenha de Livro: “Guerra dos Tronos”, George R. R. Martin

  1. Leitura altamente recomendado foi muito agradável. Adoro ler livros, cada um é diferente na narrativa e nos personagens, é bom que cada vez mais diretores e atores se aventurem a realizar séries baseados em livros. Espero ansiosamente a seguinte temporada do Game of Thrones 7 , o último capitulo me deixou super intrigada, deixo aqui o link: http://br.hbomax.tv/serie/Game-of-Thrones-Temporada-07-/501441 , aonde podem consultar o tempo faltante para a sua transmissão e isso é muito emocionante! Acho que as atuações foram muito boas, é uma das minhas serie preferidas.

  2. Adorei a resenha!
    No inicio eu fiquei um pouco perdida com tantos nomes, tantos personagens, mas depois me acostumei. É muito bom o livro, mas a série é mais fácil de acompanhar, os livros são muito longos.
    Li o primeiro, ainda vou tomar coragem para ler o resto.

Deixe uma resposta

Top