Você está aqui
Home > Livros > Resenhas > Editoras > Arqueiro > Resenha de Livro: “A Filha de Sangue” – Anne Bishop

Resenha de Livro: “A Filha de Sangue” – Anne Bishop

Todos os textos produzidos pelo Up! Brasil não podem ser reproduzidos – total ou parcialmente – sem autorização. Cópias não autorizadas e plágios são crimes previstos no Código Penal.

Autora: Anne Bishop
Editora: Saída de Emergência
Páginas: 432

Neste primeiro volume da Trilogia das Joias Negras somos introduzidos ao mundo sombrio e fantástico do Reino Distorcido, onde o que importa é a hierarquia do Sangue – há também a questão das joias, pois cada um possui uma cor específica de joia que irá determinar seu status social e também sua força, quanto mais escura a joia, maior o poder/força.

Uma das questões que me chamaram a atenção para começar a leitura foi o trabalho de construção da estrutura matriarcal criada pela autora – é muito clara para mim que ela criou uma estrutura social bastante inteligente (ao mesmo tempo em que não há necessariamente nenhuma novidade) e, apesar de ser extremamente importante para o desenvolvimento da trama, não há a necessidade de cenas explícitas de sexo – o que foi muito bem delineado. Mas voltando ao assunto do matriarcado: os homens servem as mulheres e essa “servidão” está ligada ao sexo. O sexo é um elemento essencial nessa sociedade para ganhar e manter poder político – por isso é uma parte importante do enredo.

Ao contrário do que encontramos em muitas histórias fantásticas, aqui não há bem e mal. Aqui há Trevas. E apenas isso. O tempo passou e até mesmo essa sociedade foi corrompida. Entretanto, sempre há alguma esperança – aqui ela se chama Jaenelle. Jaenelle, ainda uma criança, pode se tornar extremamente poderosa – mas para isso precisa sobreviver por tempo o suficiente.

Esse foi um bom começo de trilogia. Com uma escrita vívida e bastante evocativa e personagens fortes, originais e muito bem conectados ao enredo, Anne Bishop me deixou ansiosa página através de página, cada vez mais envolvida nas tramas e precisando saber onde cada ação nos levará. Com momentos brutais onde meu coração quebrou pelos personagens e momentos doces, de aquecer o coração, a autora conseguiu dosar tudo de forma bem planejada – tão bem planejado que às vezes nos pegamos questionando bem e mal, certo e errado.

Por ser o primeiro volume, demoramos um pouco para entender esse mundo diferente e conhecer todos os personagens de forma satisfatória (até porque são muitos personagens), mas a autora dispõe as informações de forma inteligente no decorrer da trama.

O que posso dizer por fim, é que esse livro quebrou e reconstruiu meu coração tantas vezes que perdi a conta. A leitura valeu cada minuto gasto e eu só posso te falar para se preparar para a montanha-russa de emoções que devem vir a seguir.

Vitória Doretto

Vitória – mais conhecida como Vicky. Sou viciada em instagram e estou ali, me dividindo entre o amor por personagens de livros e as aventuras que encontro nos [agora raros] games da vida. Sou graduanda em Letras e Revisora de Português licenciada pelo MEC, nerd de carteirinha (mesmo tentando ser transuda na maior parte do tempo), apaixonada por doramas e por mais bandas e cantores do que gostaria.

Deixe uma resposta

Top