Você está aqui
Home > Livros > Resenhas > Editoras > Arqueiro > Resenha de Livro: “7º Céu” – James Patterson e Maxine Paetro

Resenha de Livro: “7º Céu” – James Patterson e Maxine Paetro

Todos os textos produzidos pelo Up! Brasil não podem ser reproduzidos – total ou parcialmente – sem autorização. Cópias não autorizadas e plágios são crimes previstos no Código Penal.

Autor: James Patterson e Maxine Paetro
Editora: Arqueiro
Páginas: 207

 

James Patterson não é um autor desconhecido, muito pelo contrário. Tendo vendido mais de 250 milhões de livros em todo mundo, é um ícone do gênero. Sua parceria com Maxine Paetro também já é antigo e rendeu vários bons frutos, principalmente a série em questão, Clube das Mulheres Contra o Crime. O primeiro volume de sua nova série, Private, também tem parceria com Maxine, e é irresistível.

O Clube das Mulheres Contra o Crime é formado por quatro mulheres: a tenente da Polícia de São Francisco Lindsay Boxer; Claire Washburn, legista; Cindy Thomas, jornalista e Yuki Castellano, uma jovem promotora. Elas são amigas que se encontram regularmente no mesmo bar e, sempre que crimes misteriosos e impenetráveis assombram a cidade, elas convocam o Clube para trabalharem juntas.

Em 7º Céu, uma ligação anônima faz reacender o caso do desaparecimento de Michael Campion, filho de um ex-senador, e promete resolver o caso. Enquanto isso, uma série de incêndios criminosos acontecem nas mansões da cidade, e Lindsay e seu parceiro também estão no caso. Além de dois casos difíceis, a tenente ainda precisa lidar com a atração entre ela e Concklin, seu parceiro, sem afetar seu namoro.

Uma coisa que sempre gosto muito nos livros de Patterson é o desenrolar da história. Ele sabe como explorar mecanismos para manter o leitor entretido a cada capítulo, a cada nova revelação. Apesar de seguirem uma fórmula padrão e já conhecida, a leitura não é desgradável ou cansativa, e nem deixa de ter suas surpresas. Obviamente, essa última parte fica a cargo da imaginação bem fértil do autor.

O maior mistério desse livro é o de Michael. Será que ele morreu? Será que Julie é realmente culpada?Quem está falando a verdade? São tantas reviravoltas no caso que sempre que a gente acha que está chegando na resposta, percebe que não sabe de nada. Entretanto, o que realmente acho interessante é esse triângulo que cria sombras entre Joe, Lindsay e Concklin.

Quem acompanha a série provavelmente pensa como eu: Joe é um cara lindo, incrível e apaixonado pela tenente. Um cara que mesmo morando em outra cidade, sempre se fazia presente, mesmo que apensa por algumas horas. Um cara que cedeu aos apelos de Lindsay e mudou-se para São Francisco, só para ficar com ela. Que a pediu em casamento e mesmo sem ela dar uma resposta, continua tão disponível e apaixonado quanto sempre foi. Eu sou fã de Joe, do tipo que ele faz, do relacionamento deles e acho uma “puta falta de sacanagem” ela ficar balançada com o outro. Não acho digno.

Para quem já leu qualquer coisa de James, sabe o que esperar do livro. Para quem não leu, está perdendo tempo. A série está mais eletrizante do que nunca e ainda bem, não para por aqui. Existem pelo menos mais 4 livros publicados lá fora e certamente, serão traduzidos pela Editora Arqueiro no Brasil. Que bom, não vejo a hora de ter mais uma história do Clube das Mulheres Contra o Crime.

Deixe uma resposta

Top