You are here
Home > Colunas > Nostalgia de Filme: Entrevista com o Vampiro

Nostalgia de Filme: Entrevista com o Vampiro

Todos os textos produzidos pelo Up! Brasil não podem ser reproduzidos – total ou parcialmente – sem autorização. Cópias não autorizadas e plágios são crimes previstos no Código Penal.

Título Original: Interview With The Vampire – The Vampire Chronicles
EUA, 1994 – 122min
Suspense
Direção: Neil Jordan
Roteiro: Anne Rice
Elenco: Tom Cruise, Brad Pitt, Antonio Banderas, Kirsten Dunst, Christian Slater

Sinopse: É noite em São Francisco. Após 200 anos de uma vida sem fim, Louis de Ponte de Lac (Brad Pitt) decide contar toda a sua história a um jovem reporter (Christian Slater). Uma história de desejo, amor e êxtase… O conto sombrio do vampiro Lestat (Tom Cruise), a chance de experimentar o poder da eternidade. Lestat… Imortal…senhor da noite…o mais atraente e perigoso de todos os vampiros…capaz de saborear os prazeres da noite em busca de novas vítimas para sustentar sua existência. Atormentado por sua vida sem significado, Louis parte para o mundo, a procura de vampiros como ele, e não como Lestat. Encontra apenas violência e destruição, ao lado da pequena Claudia (Kirsten Dunst) e do enigmático Armand (Antonio Banderas).

Vamos voltar ao tempo em que vampiros não brilhavam feito diamantes, não hesitavam em matar um humano, não se apaixonavam por garotas indefesas do ensino médio e não eram imunes ao sol só por usarem uma pedrinha barata de Lapis Lazuli (cada pedra custa apenas R$23 e você pode até mesmo comprar pela internet, como você vê clicando aqui)… Bem, essa era a época de Anne Rice.

Anne Rice ficou famosa por escrever as “Crônicas Vampirescas“, que trouxeram os sugadores de sangue no melhor estilo clássico. Com personagens profundos, indo do inocente ao sádico, as histórias escritas por Rice são incrivelmente expressivas e cativantes, daquelas que te prendem na leitura da primeira até a última página do livro.

Voltando ao foco. A versão cinematográfica de “Entrevista com o Vampiro” foi, na medida do possível, fiel ao livro, o que certamente já é um ponto a favor do sucesso da produção. O filme inicia da mesma forma que o livro: Louis (Brad Pitt), um vampiro, contando sua trajetória de vida morte? a um reporter (Christian Slater). Durante a narrativa, somos apresentados às duas figuras principais da vida de Louis: Lestat (Tom Cruise) e Claudia (Kirsten Dunst).

Lestat, criador de Louis, é um vampiro sem escrúpulos, totalmente insano, egoísta e sarcástico. Este é um dos personagens que necessariamente tem de ter um ator capaz de interpretá-lo. Ok, talvez Cruise tenha deixado um pouco a desejar….mas não há como negar que é com Lestat que se vivencia toda a exuberância das emoções vampirescas. Lestat nos envolve em seus sentimentos, seja através de uma explosão de fúria ou um ato completamente louco, que chega a ter um fundo irônico.

Já Claudia, foi transformada em vampira por Lestat quando era apenas uma garotinha, o que faz com que seja uma criatura difícil de se lidar. Kirsten Dunst mostrou que sabia atuar, fazendo de Claudia um personagem marcante, afinal, todos ficamos estagnados ao ver uma criança – mesmo que morta-viva- ser capaz de cometer tamanhas barbáries, como envenenar e, se não bastasse, degolar o próprio “pai”.

No meio deste circo de horrores Louis passou seus 200 anos de existência. E, diga-se de passagem, não foram 200 anos fáceis para ele. Louis transformou-se em vampiro por estar devastado pela perda da esposa e filho, e não por desejar imortalidade, poder, whatever. O respeito pela vida humana nunca deixou Louis, que preferia se alimentar de ratos e poodles ao invés de meretrizes, empregadas ou cretinos da alta sociedade.

Louis mostrou-se atormentado pelo ser que se tornara, e encontrou em Claudia um possível elo com sua humanidade, já que por ela desenvolveu um amor paternal. Com Lestat, entretanto, seu relacionamento não era igualmente harmonioso. Por Lestat instigar que há de pior em um vampiro, Louis confrontava seu criador, inconformado pelo estilo de vida que era direcionado a levar.

Entre meio século e outro, Louis acabou esbarrando com Armand (Antonio Banderas), o poderoso chefão dos vampiros. Armand, surpreendentemente, demonstrou interesse e simpatia por Louis, por ele, mesmo vampiro, ter emoções boas e verdadeiras.

Ao final da história, Louis encontrava-se fadado à solidão eterna, já que Claudia fora morta por vampiros endoidecidos e Lestat…bom, Lestat continua sendo ele mesmo.

No geral, acredito que “Entrevista com o Vampiro” tenha marcado a temática vampírica, sendo usado como referência neste assunto. As atuações do jovem Pitt, Cruise e Dunst foram enérgicas e precisas em demonstrar a essência dos personagens, coisa rara nos filmes de hoje em dia.

O adendo final vai para a última cena do filme, uma de minhas favoritas: Lestat em seu retorno triufante, invade o carro e ataca o repórter do filme, faz graça com as lamúrias de Louis e liga o rádio…com a música “Sympathy For The Devil“, dos Rolling Stones, no volume máximo!

Por: Larissa Lacerda

Deixe uma resposta

Top