Você está aqui
Home > Filmes > Crítica de Filmes > Crítica de Filme: “Como Eu Era Antes de Você”

Crítica de Filme: “Como Eu Era Antes de Você”

Todos os textos produzidos pelo Up! Brasil não podem ser reproduzidos – total ou parcialmente – sem autorização. Cópias não autorizadas e plágios são crimes previstos no Código Penal.

Título: Como Eu Era Antes de Você
Título Original: Me Before You
Data de lançamento: 16 de junho de 2016
Duração: 1h 50min
Direção: Thea Sharrock
Elenco: Emilia Clarke, Sam Claflin, Janet McTeer
Gêneros: Drama, Romance
Nacionalidade: Reino unido
Faixa etária: 12 anos
Distribuidor: Warner Bros.
Roteiro: Jojo Moyes

como-eu-era-antes-de-vocc3aa (1)

nota3

O Filme Me Before You (Como eu era antes de você) estreia amanhã nos cinemas de todo Brasil, e o que posso dizer para você que vai assistir é: Não esqueça de levar lencinhos para secar as lágrimas.

O Livro Como Eu Era Antes de Você, vendeu mais de três milhões de cópias no mundo inteiro (leia a resenha aqui!) e conquistou a todos. Desde que confirmada a adaptação para o cinema, os fãs aguardam ansiosamente, acompanhando cada trailer, música, fotos… E provavelmente o filme irá repetir nas bilheterias, o bom rendimento do livro.

Jojo Moyes, autora do livro, escreveu o roteiro do filme, então ela soube, melhor do que ninguém, ser extremamente fiel a sua obra, assim como quais partes são necessárias e icônicas para que a história flua de uma boa maneira. Thea Sharrock, dirige pela primeira vez um longa-metragem e o resultado de seu trabalho foi responsável pelo ótimo resultado final.

O Filme flui rapidamente, e não perde tempo para explicar a “origem” dos personagens, em apenas uma cena explica rapidamente quem são e de onde vem. Lou (Emilia Clarke) é uma mulher britânica que vive no interior, presa em um relacionamento no qual não está mais feliz e com toda a responsabilidade de cuidar de sua casa e família. Desempregada, acaba aceitando um emprego como “cuidadora” de Will  (Sam Clafin), um jovem rico que após um acidente ficou tetraplégico. No primeiro momento vemos Lou como uma “menina ingênua e burra”, e Will como “problemático, miserável, e totalmente infeliz”. Com o decorrer do enredo, Lou com toda sua alegria e carisma tenta de tudo para “quebrar as muralhas” de Will, e vemos um relacionamento sendo construído nos detalhes. Logo descobrimos que sua função não seria apenas de cuidar dele, mas sim de fazê-lo querer viver.

Assim como o livro, traz à tona certos assuntos bem delicados, fazendo com que você se coloque no lugar dos personagens a todo momento. E mostra bem que a decisão de Will não é tomada por impulso, ou por não suportar ser tetraplégico, mas sim por não se reconhecer mais.

Quanto ao “clima” do filme, o romantismo se encontra nos pequenos detalhes, nos beijos em que os lábios quase não se tocam, na cumplicidade das trocas de olhares, nos diálogos praticamente sem falas e pela amizade tão levemente construída. Além de todo romance, contamos com uma dose de comédia quase que ingênua, mas que te faz rir em meio a lágrimas.

A atuação de Sam Clafin e Emilia Clarke estão maravilhosas. Ele com seu sorriso irônico, e ela com todo seu carisma, têm a química perfeita que o filme precisava. O desempenho do resto do elenco é igualmente elogiável, porém os personagens são realmente personagens de apoio e a história se concentra em Lou e Will.

Para os fãs do livro, sim, temos um filme fiel, com todas aquelas cenas marcantes presentes e claro as famosas citações. Não há dúvidas que foi feito com todo cuidado para os fãs, o que o torna em alguns momentos, um pouco sem sentido para quem não leu os livros, pois não há muitas explicações.

Um filme com um roteiro simples, uma belíssima fotografia e uma trilha sonora um pouco “clichê” com aquelas músicas que emocionam por si só. Como eu era antes de você tinha tudo para ser “mais do mesmo”, mas com toda sua leveza conseguiu se destacar e ser único.

Deixe uma resposta

Top