Você está aqui
Home > Filmes > Crítica de Filmes > Crítica de Filme: “Capitão América: Guerra Civil”

Crítica de Filme: “Capitão América: Guerra Civil”

 

Todos os textos produzidos pelo Up! Brasil não podem ser reproduzidos – total ou parcialmente – sem autorização. Cópias não autorizadas e plágios são crimes previstos no Código Penal.

Título Original: Captain America: Civil War
EUA, 2016 – 148 min.
Ação/Drama
Roteiro: Christopher Markus e Stephen McFeely,
Direção: Anthony Russo, Joe Russo
Elenco: Chris Evans, Robert Downey Jr., Sebastian Stan, Scarlett Johansson, Anthony Mackie, Don Cheadle, Jeremy Renner, Chadwick Boseman, Paul Bettany, Elizabeth Olsen, Paul Rudd, Emily VanCamp, Tom Holland, Frank Grillo, William Hurt, Chadwick Boseman, Daniel Bruhl, Martin Freeman.

CivilWar

nota5

E finalmente chega ao cinema um dos filmes mais aguardados de 2016 e que dá inicio à fase 3 da Marvel, Capitão América: Guerra Civil. O filme foi baseado em uma das mais famosas e aclamadas HQ’s da Marvel – todos os fãs aguardavam por essa adaptação, e a espera valeu a pena, pois o filme é simplesmente sensacional! Não pensem que o filme é totalmente fiel aos quadrinhos, porém trouxe as adaptações necessárias para justificar as decisões e fazer esse universo ser mais “real”. O filme não se trata de “Capitão América é o mocinho” ou “Homem de Ferro é o vilão”, longe disso, o espectador consegue entender e aceitar as decisões de ambos lados, e compreende de uma forma simples e clara do que se trata todo o conflito do filme: Segurança ou Liberdade?

Guerra Civil começa onde Vingadores: Era de Ultron parou, com Steve Rogers (Chris Evans) cuidando da nova equipe de Vingadores e protegendo a população. Depois de mais um incidente envolvendo morte de civis, a pressão cai nos políticos e a solução encontrada é um tratado onde os Vingadores seriam “controlados” pelo governo, agindo somente quando seus serviços fossem solicitados. E é esse tratado que causa uma divisão no time: Steve Rogers acredita na LIBERDADE para que eles possam defender a humanidade da melhor forma que puderem, sem a intromissão do governo. Tony Stark (Robert Downey Jr.) acredita na SEGURANÇA e que ela virá junto com a fiscalização de seus atos e de seus colegas. No decorrer do filme conhecemos Zemo (Daniel Brühl), o verdadeiro “vilão” do filme, que mesmo sem nenhum poder consegue destruir mais do que qualquer outro vilão que conhecemos.

Este é o filme mais maduro da Marvel – e mesmo com essa maturidade, os irmãos Russo souberam colocar a essência leve e cômica da Marvel sem quebrar os momentos de conflitos e emoções. É um filme que te faz pensar de várias formas, te faz lembrar de certos valores como amizade, confiança, ideais, lealdade e perdão. O filme não se trata de Guerra, acredito que o filme trate de vários conflitos pessoais de cada um dos personagens e a forma como eles lidaram com esses conflitos.

Não posso deixar de falar das apresentações: Pantera Negra (Chadwick Boseman) e Homem-Aranha (Tom Holland). Com certeza se esses personagens não tivessem sido introduzidos, o filme não teria sido o mesmo. Chadwick Boseman trouxe com maestria a essência de “Realeza” do Pantera Negra e sua participação deixou aquela ansiedade para seu filme solo (previsto para Julho/2018). E Tom Holland interpretou o Homem-Aranha que todos os fãs esperavam desde sempre – aquele Peter Parker que ainda é um menino, nervoso, engraçado, extremamente inteligente, adorável, nerd de verdade. Suas cenas trouxeram leveza e ingenuidade no momento em que mãos amigas se enfrentavam. E obrigada Marvel por não matar o tio Ben mais uma vez e por dizer o tudo que era necessário para introduzir o personagem na história em poucos minutos.

Capitão América: Guerra Civil é o melhor filme da Marvel até o momento, e mesmo com um tom de “Vingadores 2.5”, iniciou a fase 3 da Marvel da melhor forma. Espero que os Irmãos Russo continuem a fazer seu trabalho tão bem quanto fizeram em Guerra Civil. Agora para os fãs da Marvel é esperar Doutor Estranho, que estreia em novembro desse ano.

Paloma Machado
Uma Paulista de 25 anos, apaixonada por: séries, filmes, livros, mundo geek e músicas. Potterhead e Hunter, não superou final da série How I Met You Mother e da banda RBD (E talvez nunca vá superar). Acredita em apocalipse zumbi, fadas, duentes, heróis com superpoderes, princesas, mágia e em vida em outros planetas. Instagram: @lominha_machado õ/
http://www.up-brasil.net

2 thoughts on “Crítica de Filme: “Capitão América: Guerra Civil”

  1. Olá, Pam! Tudo bem?

    Se eu te contar que não ligo pra super heróis e que não vi Vingadores e nem o Batman vs Superman você jura que não surta? Hahaha O único herói que eu amo é o Super Choque. <3

    Mas, eu estou com muita vontade de assistir Guerra Civil, não sei por que. E eu amei a sua crítica! Ela está mavilhosamente bem escrita e me deixou ainda com mais vontade de assistir!

    Eu prefiro o Capitão e já recebi um spoiler colossal que acabou com o meu coração. </3 Também estou ansiosa pra ver o Homem Aranha nesse filme!

    Beijos e até mais!

    dreamsandbooks.com

Deixe uma resposta

Top