Você está aqui
Home > Filmes > Crítica de Filmes > Crítica de Filme: “Atividade Paranormal – Dimensão Fantasma”

Crítica de Filme: “Atividade Paranormal – Dimensão Fantasma”

Todos os textos produzidos pela Up! Brasil não podem ser reproduzidos – total ou parcialmente – sem autorização. Cópias não autorizadas e plágios são crimes previstos no Código Penal.

Título Original: Paranormal Activity: The Ghost Dimension
EUA, 2015 – 1h28min.
Terror
Direção: Gregory Plotkin
Elenco: Chris J. Murray, Brittany Shaw, Olivia Taylor Dudley, Dan Gill, Ivy George.

nota2,5

Atividade Paranormal não é a maior franquia do gênero, mas usando o estilo “found footage“, surgiu um fenômeno que se tornou uma das mais bem sucedidas bilheterias do gênero. Com um ótimo marketing, tivemos no primeiro filme aquela sensação de “baseados em fatos reais ou não?”, o que acabou fazendo as pessoas terem muito mais medo do filme. Desde 2009 tivemos 4 filmes e 2 spin-off, e chegou aos cinemas o quinto e último filme da franquia: Atividade Paranormal – Dimensão Fantasma (Paranormal Activity: The Ghost Dimension), e minha impressão final foi que “tivemos mais do mesmo”, porém dessa vez pudemos ver os espíritos e não apenas objetos se mexendo sozinho.

O filme dessa vez é sobre a família de Ryan Fleege (Chris J. Murray), que se muda para uma nova casa com sua mulher Emily (Brittany Shaw) e sua filha Leila (Ivy George). Em época de Natal, eles hospedam o Tio Mike (Dan Gill), e sempre está presente a amiga de Emily, Skyler (Olivia Taylor Dudley). Enquanto Mike e Ryan estão decorando a casa para o natal, encontram uma filmadora e várias fitas de vídeos com conteúdos gravados, o qual eles descobrem que foram filmados no mesmo lugar em que a casa deles foi construída. Eles começam a brincar com a antiga câmera que foi encontrada e percebem que ela registra coisas além do que eles podem ver.

Bom, nesse filme temos algumas explicações de acontecimentos anteriores, e eles conseguem conectar toda a história muito bem, mesmo que os diálogos entre os personagens quase não existam, eles conseguem encaixar tudo. Gostei da forma que ele se conectou a todos os outros, inclusive as gravações que faziam parte dos filmes anteriores. Mas no quesito TERROR, não surpreendeu nada. Confesso, levei alguns sustos, mas esses sustos se deram mais pelo efeito 3D e o som, do que pelo filme em si. A intenção era vermos o “Toby”, mas vê-lo tirou todo o efeito de surpresa que era o que dava mais medo nos filmes, tornando os sustos bem previsíveis e nada assustadores.

A surpresa ficou para atuação de Ivy George, que deu vida a Leila e foi quem trouxe os maiores momentos de “medo”, com suas risadas sinistras e sua inocência tão diabólica (Juro que quando essa menina dava aquele sorrisinho maléfico, eu nem queria olhar).

Para quem quer entender toda a franquia, vale a pena ver esse filme, eles amarram todos os acontecimentos e conseguem explicar a história. Quem quer um filme para ter medo, pode ser que dê boas risadas assistindo Atividade Paranormal – Dimensão Fantasma. Minha dica é: assista em 3D para pelo menos levar uns dois ou três sustos durante o filme.

Deixe uma resposta

Top